bwin

Siga nossas redes

Economia

Argentina corporativa não deseja dolarização da economia, dizem empresários

Dolarização é proposta de candidato que lidera pesquisas para eleições presidenciais.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 3 minutos

  • Telegram
  • Flipboard
  • Google News

A Argentina corporativa é fortemente contra a dolarização total da economia, uma das principais propostas do candidato que lidera as pesquisas de opinião para as eleições presidenciais, Javier Milei, de acordo com 125 empresários com quem a Reuters conversou.

Em uma importante cúpula de líderes empresariais na cidade litorânea de Mar del Plata, a Reuters perguntou aos executivos de uma ampla gama de setores se eles desejam que o governo mantenha o peso, mude para um sistema duplo de peso e dólar ou faça uma mudança total para o dólar. Apenas duas pessoas apoiaram a dolarização total.

A pesquisa oferece a visão mais clara e aprofundada até o momento sobre como a Argentina corporativa vê o debate sobre a dolarização, que está no centro da disputa presidencial rumo à eleição de 22 de outubro.

Apoiadores do candidato à Presidência da Argentina Javier Milei durante comício em Buenos Aires 25/09/2023 REUTERS/Cristina Sille

Cerca de dois terços dos entrevistados pela Reuters apoiaram um sistema bimonetário proposto pela candidata conservadora Patricia Bullrich, que é popular entre os líderes empresariais, mas que está em desvantagem nas pesquisas. Quase um terço favoreceu a manutenção do peso, apesar de sua recente queda e da inflação de três dígitos no país.

“É realmente desafiador para as empresas sediadas na Argentina pensar em dolarização”, disse um executivo de alto escalão do setor automotivo que pediu para não ter seu nome revelado, citando problemas enfrentados por outras economias dolarizadas, como Equador e El Salvador.

“Ficamos sem uma âncora para ajustar as variáveis monetárias e as experiências em outros países não têm sido boas.”

A forte oposição corporativa ressalta um dos desafios que um possível futuro presidente Milei enfrentaria para levar adiante seus planos para a economia, que também incluem o fechamento do banco central.

O candidato governista e ministro da Economia, Sergio Massa, apoia a manutenção do peso, mas tem tido dificuldades para reduzir a inflação ou conter a desvalorização da moeda.

REUTERS/Agustin Marcarian

Os argentinos votarão em 22 de outubro, com um segundo turno previsto para o mês seguinte, caso nenhum candidato vença já no primeiro turno, o que significa obter 45% dos votos ou 40% com uma vantagem de 10 pontos percentuais.

A maioria dos empresários entrevistados na cúpula empresarial do Idea disse que é importante manter o peso para poder ajustar as variáveis monetárias e manter a competitividade. Uma mudança total para o dólar significaria perder as alavancas da política monetária.

Na pesquisa, cerca de 80% disseram que prefeririam um governo Bullrich, apoiando seus planos para normalizar a economia. Cerca de 11% se inclinaram para Massa e apenas 7% foram a favor de Milei.

A maioria dos entrevistados avalia o valor real do peso entre 650 e 1.000 pesos por dólar, muito mais fraco do que a taxa oficial controlada de 350 pesos. O país tem controles rígidos de capital que limitam o comércio oficial de moeda estrangeira, o que tem fomentado os mercados paralelos populares.

Veja também

Boletim bwinBoletim bwin
ANÚNCIO PATROCINADOConfira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
Hidrogênio Verde
bwin Mapa do site