bwin

Siga nossas redes

Economia

BNDES precisa reduzir pagamento de dividendos, diz Mercadante

Presidente do banco criticou o fato de o BNDES passar a recolher dividendos em vez de usá-lo para investimentos.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 3 minutos

  • Telegram
  • Flipboard
  • Google News

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Aloizio Mercadante, defendeu nesta sexta-feira (25) que o banco precisa reduzir o pagamento de dividendos.

Durante participação no painel Os desafios da infraestrutura brasileira: o novo PAC 2023 na 2ª edição do Fórum Esfera, realizada no Guarujá (SP), Mercadante criticou o fato de o BNDES passar a recolher dividendos em vez de usar esse dinheiro para investimentos. Ele citou que bancos públicos no mundo não pagam proventos do tipo.

Mercadante
Crédito: Ciete Silverio

 Não pagávamos. Depois, pagamos 25% e no ano passado, pagamos 60%. Precisamos reduzir. O papel do BNDES não é financiar o Tesouro, é financiar a produção, a indústria, a infraestrutura, o crescimento.  Não é o Tesouro que está financiando o BNDES. Quero que ele desmame do BNDES para o banco financiar o PAC”, disse Mercadante.

PAC e o mercado de capitais

Mercadante disse que o BNDES vê nesse momento mudanças de incertezas que se tinham com o novo governo, que o estado democratico está sólido, que o arcabouço fiscal dá perspectiva sobre a trajetória da dívida pública, que a reforma tributária abre caminho para redução dos impostos, e que o  Brasil melhorou seu rating internacional.

Quero parceria com o mercado de capitais. O Brasil precisa de inovação, criatividade de ousadia e parar com ruídos e perda de tempo. Tem que olhar para o futuro”, disse Mercadante.

O presidente do BNDES defendeu ainda fazer  sentido o banco ter uma letra de crédito para o desenvolvimento.

O que preocupa o mercado de capitais é que não repita o que aconteceu. Podemos operar e estruturar juntos programas de debêntures. Precisamos de mais parceria público-privada. Precisamos de uma relação do setor público-privado de outro nível, devemos  nos fortalecer, ser parte da reestruturação. Nesse momento de retomada, precisa dessa parceria, senão a gente não sai desse buraco que a gente entrou”, defendeu Mercadante.

Novo PAC

O governo federal lançou no último dia 11 a terceira edição do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). 

A previsão é que sejam investidos R$ 1,7 trilhão em todos os estados do Brasil, sendo R$ 371 bilhões da União, R$ 343 bilhões de estatais,  R$ 362 bilhões de financiamentos e R$ 612 bilhões do setor privado.

Segundo o governo federal, o novo PAC irá viabilizar obras, como rodovias, ferrovias, portos, aeroportos, linhas de transmissão, fontes de geração de energia de baixo carbono e mobilidade urbana, entre outros. 

A primeira etapa do PAC será composta por empreendimentos propostos pelos ministérios e por governadores. Uma segunda etapa terá início em setembro, com uma seleção pública para estados e municípios. 

Baseado na articulação entre municípios, estados e federação, os objetivos do novo programa são gerar emprego e renda, reduzir desigualdades sociais e regionais, promover a neoindustrialização e ainda o crescimento com inclusão social e a sustentabilidade ambiental. 

Veja também

Boletim bwinBoletim bwin
ANÚNCIO PATROCINADOConfira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
Hidrogênio Verde
bwin Mapa do site