bwin

Siga nossas redes

Economia

Lucros e dividendos responderam por mais de 35% da renda isenta de IR no país

Segundo Ministério da Fazenda, parcela de rendimento isento entre os mais ricos é de cerca de 70%; dados são do IRPF de 2022.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 4 minutos

  • Telegram
  • Flipboard
  • Google News

Relatório publicado pelo Ministério da Fazenda ao final de 2023 mostra que os rendimentos isentos ou com tributação exclusiva crescem à medida que a renda é mais alta. Com base nos dados do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) de 2022, o estudo revela que 10% dos contribuintes concentravam mais de 50% da riqueza no Brasil.

Desses que estavam no topo da pirâmide, a renda tributável respondia por apenas 6,0% da renda total, enquanto 25,4% do rendimento tem tributação exclusiva e 68,7% do rendimento é isento. Considerando-se toda a parcela de contribuintes, a renda isenta representa 44,3% do total, enquanto a renda de tributação exclusiva/definitiva estava concentrada em 17,5%. 

Aplicativo da Receita para verificar consulta de lote da Restituição do Imposto de Renda com diversas notas de real atrás
Crédito: Adobe Stock

Em ambos os casos, porém, a participação entre os 50% que estavam na parte inferior da pirâmide era ínfima, com a renda isenta respondendo por 6,0% do total. Ou seja, o mesmo porcentual de renda tributável dos que estavam no topo. Além disso, nos estratos mais altos, a renda era dividida em 9,6% tributável; 21,0% de rendimento exclusivo e 69,3% isento.

“A renda isenta tem tendência ainda maior de elevação conforme o patamar de renda”.

Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, em relatório.

Segundo o estudo, entre os rendimentos isentos, lucros e dividendos representam 35,5% do total declarado e não tributado. Em seguida, aparecem outros rendimentos isentos (18,6%); sócio ou titular do Simples Nacional (13%) e doações/heranças (8,1%). Para se ter uma ideia, os rendimentos da caderneta de poupança são isentos para apenas 4,4%. 

Para a Secretaria de Política Econômica da Fazenda, as informações da Declaração do IRPF de 2022 realçam a elevada concentração de renda no topo da pirâmide. Da mesma forma, os dados também revelam o aumento das parcelas de renda isenta e de tributação exclusiva, de acordo com os estratos de renda mais altos.

Tanto que a proporção de renda tributável em relação à renda total atingia o valor mais alto no percentil 15. Isso significa que, para 15% dos contribuintes, a tributação da renda é maior do que 85% dos demais. A partir daí, a proporção de renda tributável cai de maneira quase linear até atingir o percentual correspondente aos de maior renda.

Progressiva ou regressiva?

O relatório aponta que, para 93% da população, a tabela do Imposto de Renda foi progressiva, enquanto passou a ser regressiva no topo da distribuição para os 6% mais ricos. Além disso, enquanto os 1% mais ricos pagaram em 2022 alíquota efetiva próxima à paga por 60% dos declarantes, os 0,01% mais ricos tiveram a mesma alíquota paga por 44%. 

Vale lembrar que a tabela progressiva de Imposto de Renda estabelece faixas de renda e alíquotas de imposto correspondentes. Ou seja, quanto maior a renda, maior será a alíquota aplicada. Já a tabela regressiva funciona de acordo com a duração do investimento, sendo que a tributação é menor quanto mais tempo durar a aplicação financeira.

“É possível afirmar que em 2022 a concentração de riqueza foi ainda mais desigual entre os declarantes de IRPF do que a de renda”.

Secretaria de Política Econômica, Ministério da Fazenda, em relatório.

O relatório do Ministério da Fazenda foi publicado em 29 de dezembro e detalha a distribuição de renda e riqueza no Brasil, com base nas informações da DIRPF de 2022 divulgadas pela Receita Federal. Mais de 38,4 milhões de pessoas fizeram a declaração do IRPF, o que corresponde a 35,6% da População Economicamente Ativa (PEA) do Brasil. 

A declaração de IRPF de 2023 (ano-base 2022) foi obrigatória para todas as pessoas residentes no Brasil que tenham recebido ao menos R$ 28.559,70 de rendimentos tributáveis; R$ 142.798,50 em receita bruta da atividade rural ou R$ 40 mil em rendimentos, inclusive não tributados ou tributado na fonte. 

Também tiveram de declarar em 2023 aqueles que possuíam mais de R$ 300 mil em bens e direitos, quem obteve ganhos de capital na alienação de bens ou direitos ou optou pela isenção sobre a venda de imóveis, seguido da aquisição de outro em até 180 dias, além de pessoas que realizaram operações em bolsa de valores.

Veja também

Boletim bwinBoletim bwin
ANÚNCIO PATROCINADOConfira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
Hidrogênio Verde
bwin Mapa do site