bwin

Siga nossas redes

Geral

3 fatos: fatia da Petrobras na Metanor; PIB da zona do euro e comércio da China

Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro cresceu 0,3% no terceiro trimestre de 2022 ante o anterior, segundo a terceira e última leitura do dado.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 4 minutos

  • Telegram
  • Flipboard
  • Google News

1 – Petrobras inicia fase vinculante para venda de fatia na Metanor

APetrobras(PETR3PETR4) informou nesta terça-feira (6) que iniciou a fase vinculante referente à venda da totalidade de sua participação acionária, correspondente a 34,54%, na empresa Metanol do Nordeste (Metanor), com sede em Camaçari, no Estado da Bahia.

Os potenciais compradores habilitados para essa fase receberão carta com instruções sobre o processo de desinvestimento, incluindo orientações para o envio das propostas vinculantes.

2 – PIB da zona do euro sobe 0,3% no 3º tri ante o anterior e tem alta anual de 2,3%

O Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro cresceu 0,3% no terceiro trimestre de 2022 ante o anterior, segundo a terceira e última leitura do dado, publicada nesta quarta-feira (7), pela agência oficial de estatísticas da União Europeia, Eurostat. A leitura final sofreu revisão para cima, após as duas publicações anteriores informarem alta trimestral de 0,2% do PIB. Na comparação anual, o PIB da zona do euro teve avanço de 2,3% no terceiro trimestre. A estimativa anterior havia sido de alta de 2,1%. O crescimento anual do segundo trimestre também foi revisado, de um avanço de 4,1% para um crescimento de 4,2%. A alta de 0,8% ante o trimestre anterior do ano não sofreu alteração.

3 – Comércio da China tem maior queda em 2 anos e meio por Covid

Porto de Qingdao, China 14/02/2019. REUTERS/Stringer/File Photo

As exportações e importações da China contraíram no ritmo mais acentuado em pelo menos dois anos e maio em novembro, com a demanda fraca tanto no exterior quanto no país, problemas de produção devido à Covid e os problemas do setor imobiliário ampliando a pressão sobre a segunda maior economia do mundo.

A retração foi muito pior do que os mercados haviam previsto, e os economistas estão prevendo um novo período de declínio das exportações, destacando um forte recuo no comércio mundial conforme consumidores e empresas cortam gastos em resposta aos movimentos agressivos dos bancos centrais para domar a inflação.

As exportações contraíram 8,7% em novembro em relação ao ano anterior, após perda de 0,3% em outubro e no pior desempenho desde fevereiro de 2020, mostraram dados oficiais nesta quarta-feira. A expectativa de analistas era de um declínio de 3,5%.

Pequim está agindo para aliviar algumas de suas rigorosas restrições contra a pandemia, mas os embarques para o exterior vêm perdendo força desde agosto, já que a inflação crescente, os aumentos generalizados das taxas de juros em muitos países e a crise da Ucrânia empurraram a economia global para a beira da recessão.

As exportações provavelmente diminuirão ainda mais nos próximos trimestres, disse Julian Evans-Pritchard, economista sênior para China na Capital Economics, em uma nota.

“Os embarques para o exterior receberão um impulso limitado da flexibilização das restrições contra o vírus (na China), que não são mais uma grande restrição à capacidade dos fabricantes de atender às encomendas”, disse ele.

“De conseqüência muito maior será a queda na demanda global por produtos chineses devido à reversão da demanda da era pandêmica e da próxima recessão global.”

Em resposta à crescente pressão sobre a economia chinesa, a mídia estatal informou na quarta-feira que uma reunião de alto nível do Partido Comunista, realizada no dia anterior, havia enfatizado que o foco do governo em 2023 será a estabilização do crescimento, a promoção da demanda interna e a abertura para o mundo exterior.

As amplas restrições contra a Covid também prejudicam os importadores. As importações sofreram uma forte queda de 10,6% depois de recuo de 0,7% em outubro, ainda que mais fraca do que o declínio de 6,0% esperado. A retração foi a pior desde maio de 2020, em parte também refletindo uma base de comparação elevada no início do ano.

Isto resultou em um superávit comercial menor de US$ 69,84 bilhões, comparado com um excedente de US$ 85,15 bilhões em outubro, o que marcou o nível mais baixo desde abril, quando Xangai estava sob lockdown. Analistas previam um superávit de US$ 78,1 bilhões.

* Com informações de Estadão Conteúdo e Reuters

Veja também

Boletim bwinBoletim bwin
ANÚNCIO PATROCINADOConfira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
Hidrogênio Verde
bwin Mapa do site