bwin

Siga nossas redes

Geral

Invasores depredam Três Poderes, Lula decreta intervenção e 400 são presos

Acompanhe os desdobramentos das manifestações em Brasília neste domingo (8).

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 12 minutos

  • Telegram
  • Flipboard
  • Google News

ÚLTIMAS ATUALIZAÇÕES*

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva decretou intervenção federal até 31 de janeiro após apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) terem furado o bloqueio montado pelas forças de segurança e pela polícia militar e terem invadido e depredado os prédios Congresso Nacional, Palácio do Planalto e Supremo Tribunal Federal (STF) neste domingo (8).

Apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro invadem prédio em Brasília 08/12/2023 REUTERS/Adriano Machado

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, afirmou que mais de 400 pessoas foram presas em decorrência dos ataques articulados por apoiadores do ex-presidente. Segundo o ministro da Justiça, Flavio Dino, mais de 40 ônibus que transportaram os manifestantes foram apreendidos.

A invasão dos prédios dos Três Poderes ocorreu dois anos e dois dias depois que apoiadores do então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, atacaram e invadiram o Capitólio de Washington, sede do Congresso norte-americano, em uma tentativa de impedir a certificação da vitória eleitoral de Joe Biden em 2020.

Acompanhe em tempo real os últimos acontecimentos após as invasões:

21h17

Bolsonaro se pronuncia sobre ataques em Brasília

O ex-presidente Jair Bolsonaro se manifestou pelo Twitter, às 21h17, sobre as invasões aos Três Poderes. “Manifestações pacíficas, na forma da lei, fazem parte da democracia. Contudo, depredações e invasões de prédios públicos como ocorridos no dia de hoje, assim como os praticados pela esquerda em 2013 e 2017, fogem à regra”, declarou.

Bolsonaro também se defendeu após críticas feitas pelo atual presidente Lula mais cedo. “No mais, repudio as acusações, sem provas, a mim atribuídas por parte do atual chefe do executivo do Brasil”.

20h43

Presidentes do STF e TSE falam em punição de ‘terroristas’

Em duras manifestações após a invasão, os presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, afirmaram que vão trabalhar para que haja punição de “terroristas”, financiadores e agentes públicos – atuais e antigos – envolvidos nos atos antidemocráticos.

Em outro lance da reação, os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), decidiram voltar a Brasília e também preparam uma reação institucional após a invasão e depredação neste domingo, segundo fontes ligadas às duas autoridades.

Radicais bolsonaristas invadem Palácio do Planalto, Congresso Nacional e STF 08/01/2023 REUTERS/Adriano Machado

Na noite de domingo, Pacheco divulgou um comunicado em que faz uma convocação extraordinária dos deputados e senadores para apreciar o decreto de intervenção federal na segurança pública do Distrito Federal, alvo de constantes críticas por estar sendo leniente em conter manifestações desde as eleições.

20h37

AGU criará força-tarefa para cobrar indenizações

A Advocacia-Geral da União (AGU) montará força-tarefa para cobrar indenizações aos responsáveis pelos danos causados ao patrimônio público nas invasões às sedes dos Três Poderes. O órgão atuará como assistente de acusação em ações penais contra extremistas identificados nas depredações na capital federal e contra agentes públicos coniventes com os atos antidemocráticos.

Caberá à força-tarefa ajuizar ações para cobrar indenizações. O grupo também ingressará com medidas judiciais para responsabilizar por improbidade agentes públicos por eventuais omissões dolosas que tornaram possíveis a prática de tais atos.

O órgão informou que também entrará na Justiça com ações de interdito proibitório para prevenir novas investidas ilícitas contra o patrimônio público federal, incluindo os edifícios que abrigam os Poderes da República.

19h50

Líderes globais condenam ataque em Brasília

Autoridades internacionais condenaram os ataques realizados por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal (STF), o prédio do Congresso Nacional e cercaram o Palácio do Planalto em Brasília. O presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou que ä vontade do povo brasileiro e das instituições democráticas deve ser respeitada”.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse neste domingo que a situação no Brasil é “ultrajante”. O chefe de política externa da União Europeia, Josep Borremm, ofereceu seu apoio a Lula e seu governo, ao Congresso e ao Supremo Tribunal Federal. “A democracia brasileira derrotará a violência e o extremismo.”, escreveu.

20h

Movimentos sociais e USP farão ato pela democracia nesta 2ª

Após a invasão, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), integrantes das frentes Povo Sem Medo, Brasil Popular e outros movimentos sociais marcaram manifestações em defesa da democracia e pela punição dos golpistas envolvidos na invasão terrorista para esta segunda-feira (9).

Em São Paulo, a concentração está marcada para as 18h no vão livre do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp), na Avenida Paulista. Os atos também devem ocorrer em outras cidades do país. 

18h50

Centenas pessoas são presos por depredação a patrimônio público

Pelo menos 400 pessoas foram presas por depredação ao patrimônio público, após invasão ao prédio do Congresso, Planalto e STF, segundo o governador do Distrito Federal, Ibaneis RochaBrasil.

18h43

AGU pede ao STF prisão de ex-secretário do DF

A Advocacia-Geral da União (AGU) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a prisão do ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal Anderson Torres, exonerado neste domingo após a invasão por bolsonaristas extremistas das sedes dos Três Poderes em Brasília, e a imediata desocupação de todos os prédios públicos federais. Torres foi ministro da Justiça do governo Jair Bolsonaro.

18h20

Imprensa internacional repercute invasões em Brasília

Os principais veículos da imprensa internacional repercutem os desdobramentos das invasões dos manifestantes radicais na praça dos Três Poderes em Brasília neste domingo (2). Os ataques eram manchete do jornal “The News York Times”.

“Milhares de apoiadores de Jair Bolsonaro invadiram o Congresso e os gabinetes presidenciais do Brasil em resposta ao que eles falsamente acreditam ser uma eleição fraudada”, escreveu o jornal americano.

O britânico “The Guardian” destacou em sua home neste domingo (2): “Líderes globais condenam ações enquanto apoiadores do ex-presidente atacam instalacões”.

18h

Governos de Argentina, México, Colômbia e Chile condenam ataques

Os governos de Argentina, México, Colômbia e Chile condenaram neste domingo, separadamente, o ataque de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro às sedes dos Três Poderes em Brasília.

Os apoiadores do ex-presidente que não aceitam o resultado da eleição e pedem uma intervenção militar ilegal invadiram o Supremo Tribunal Federal (STF), o prédio do Congresso Nacional e o Palácio do Planalto e depredaram o interior dos prédios.

Radicais bolsonaristas depredam sala do Palácio do Planalto 08/01/2023 REUTERS/Adriano Machado

17h57

CNI condena depredação em Brasília

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) condenou nas redes sociais os ataques à praça dos Três Poderem neste domingo. “A CNI é veementemente contra todo e qualquer tipo de manifestação antidemocrática. Os responsáveis pelos atos terroristas devem ser punidos na forma da lei de maneira exemplar”.

17h50

Presidente Lula decreta intervenção federal

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou um decreto de intervenção federal para conter os atos antidemocráticos até 31 de janeiro. Ele classificou os atos como “barbárie”e “tudo de abominável na política”invadir a sede do governo nacional e a Suprema Corte.

“São verdadeiros vândalos destruindo tudo pela frente garanto que todos que fizerem isso serão encontradas e serão punidas (…). A democracia garante o direito de liberdade e livre comunicação mas também exige que as pessoas respeitem as instituições para fortalecer a democracia”.

Lula também criticou a polícia do Distrito Federal pela falta de ação e segurança que levou às invasões. ‘Esses policiais não poderão ficar impunes e não poderão participar da corporação porque não são de confiança do povo brasileiro”, afirmou em discurso.

17h45

Lira chama invasão de ataque à democracia e cobra punição

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), repreendeu neste domingo a invasão das sedes dos Três Poderes por parte de apoiadores extremistas do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e cobrou punição aos responsáveis pelos atos antidemocráticos.

“O Congresso Nacional jamais negou voz a quem queira se manifestar pacificamente. Mas nunca dará espaço para a baderna, a destruição e vandalismo”, escreveu Lira, no Twitter.

“Os responsáveis que promoveram e acobertaram esse ataque à democracia brasileira e aos seus principais símbolos devem ser identificados e punidos na forma da lei”, acrescentou.

17h30

Segurança do STF e PM retomam prédio, diz assessoria

A equipe de segurança do Supremo Tribunal Federal (STF) e a Polícia Militar conseguiram retomar o prédio do STF após radicais bolsonaristas terem invadido o edifício e depredado o interior do local mais cedo neste domingo, informou a assessoria da corte.

Ainda segundo a assessoria, algumas pessoas estão presas na garagem do prédio.

Apoiadores do ex-presidente do Brasil Jair Bolsonaro protestam contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do lado de fora do Congresso Nacional do Brasil em Brasília, Brasil, 8 de dezembro de 2023. REUTERS/Adriano Machado

17h25

PGR pede inquérito para responsabilizar envolvidos

O procurador-geral da República, Augusto Aras, determinou neste domingo a imediata abertura de inquérito criminal para responsabilizar os envolvidos na invasão aos prédios dos Três Poderes em Brasília

Em comunicado, Aras disse que monitora e acompanha com “preocupação os atos de vandalismo a edifícios públicos que ocorrem em Brasília” neste domingo. “Aras mantém contato permanente com as autoridades e tem adotado as iniciativas que competem à instituição para impedir a sequência de atos de violência”, informou.

“Entre as providências tomadas no dia de hoje, o procurador-geral requisitou à Procuradoria da República no Distrito Federal (PRDF) a imediata abertura de procedimento investigatório criminal visando a responsabilização dos envolvidos”, completou.

16h30

PT pede ao PGR intervenção na segurança pública do DF

Após invasão por bolsonaristas radicais do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF), o PT anunciou que vai entrar com um pedido à Procuradoria-Geral da República de intervenção federal na Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal.

“Atenção! Eu e a presidente do PT @gleisi estamos agora representando ao procurador-geral da República (Augusto Aras) para que seja decretada intervenção na Segurança Pública do DF”, disse o líder do governo no Congresso, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), em sua conta no Twitter.

16h20

Anderson Torres é demitido pelo governador do DF

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, demitiu o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública do governo de Jair Bolsonaro (PL) Anderson Torres após as invasões aos Três Poderes neste domingo. Ele havia assumido a chefia da Secretaria de Segurança do Distrito Federal em 2 de janeiro e encontra-se nos EUA.

16h

Imagens mostraram ainda manifestantes depredando os espaços, quebrando vidros e portas das sedes dos Três Poderes.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva não estava em Brasília no momento da invasão. O presidente passa o fim de semana em São Paulo e neste domingo foi a Araraquara, no interior do Estado, para acompanhar estragos causados pelas chuvas na região.

Um homem agita a bandeira do Brasil enquanto apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro protestam contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do lado de fora do Congresso Nacional do Brasil em Brasília, Brasil, 8 de dezembro de 2023. REUTERS/Adriano Machado

Apoiadores de Bolsonaro estão acampados há semanas em frente ao Quartel General do Exército, em Brasília –além de em outras cidades–, em mobilização antidemocrática contra o resultado das eleições de outubro que elegeram Lula presidente da República.

Temendo uma piora da situação, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, assinou no sábado uma portaria autorizando o emprego da Força Nacional de Segurança Pública.

Em postagem no Twitter neste domingo, Dino afirmou que “essa absurda tentativa de impor a vontade pela força não vai precer”.

“O Governo do Distrito Federal afirma que haverá reforços. E as forças de que dispomos estão agindo. Estou na sede do Ministério da Justiça”, escreveu o ministro.

O presidente do Senado e do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse no Twitter que conversou por telefone com o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), sobre a situação. Rocha teria informado a ele que está concentrando “esforços de todo o aparato policial no sentido de controlar a situação”.

“Na ação, estão empenhadas as forças de segurança do Distrito Federal, alem da Polícia Legislativa do Congresso. Repudio veementemente esses atos antidemocráticos, que devem sofrer o rigor da lei com urgência”, disse Pacheco.

*Com agências

Veja também

Boletim bwinBoletim bwin
ANÚNCIO PATROCINADOConfira

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
Hidrogênio Verde
bwin Mapa do site