bwin

Siga nossas redes

Guia Financeiro

Empresa offshore: o que é, como funciona e como abrir esse tipo de empresa?

Paraísos fiscais nem sempre abrigam estruturas para atividades ilícitas ou evasão.

Publicado

em

Tempo médio de leitura: 11 minutos

  • Telegram
  • Flipboard
  • Google News
Imagem de uma offshore em meio à Baia de Guanabara

A expressão “offshore” costuma despertar curiosidade no mercado financeiro, uma vez que é geralmente utilizada sob a alcunha de “paraíso fiscal” para tratar de empresas e indivíduos de renome. O termo costuma evocar imagens de segredos financeiros, transações obscuras e até evasão fiscal. 

No entanto, nem sempre as estruturas offshore são utilizadas para atividades ilícitas ou evasão fiscal. Muitas vezes, indivíduos e empresas optam por estabelecer presença offshore por razões legítimas, como diversificação de investimentos, proteção patrimonial, planejamento sucessório e acesso a mercados internacionais.

Por isso, é importante compreender as nuances do termo, assim como seus dispositivos. Veja abaixo os principais tópicos para entender o que sobre o assunto: 

O que é uma empresa offshore?

Uma offshore é uma empresa legal registrada em um país ou território que oferece vantagens fiscais e regulatórias para negócios internacionais. Essas jurisdições, geralmente chamadas de centros financeiros offshore, possuem leis e regulamentações específicas que incentivam a criação e operação de empresas estrangeiras.

Umaempresa offshore pode ser constituída para diversas finalidades legítimas, como planejamento tributário, proteção de ativos, confidencialidade nos negócios internacionais, diversificação de investimentos e acesso a mercados globais. 

Essas organizações seguem as leis e regulamentações da jurisdição em que estão registradas e podem desfrutar de benefícios fiscais, como taxas reduzidas de impostos, isenções fiscais ou regimes especiais para empresas estrangeiras

Como funciona uma offshore? 

Uma empresa offshore funciona de maneira semelhante a uma empresa convencional, mas com particularidades relacionadas à sua localização e estrutura legal. Para estabelecer uma offshore, é preciso escolher a jurisdição adequada. Existem várias opções disponíveis, cada uma com seus regulamentos, leis e benefícios específicos.

É importante também considerar fatores como estabilidade política, estrutura legal, reputação, vantagens fiscais, proteção de ativos e confidencialidade antes de tomar uma decisão. Além disso, o funcionamento da offshore deve estar em conformidade com as leis e regulamentações dos países onde as atividades comerciais ocorrem.

Diferença entre offshore e onshore 

A principal diferença entre uma empresa offshore e uma onshore está na localização física e nas implicações legais e fiscais associadas ao negócio. Como o próprio nome sugere, as empresas onshore são estabelecidas e operam no território de um determinado país, estando sujeitas às leis e regulamentações daquela jurisdição específica.

Já as empresas offshore, como dito, são registradas e operam em uma jurisdição estrangeira, fora do território onde o negócio ocorre. Essas empresas geralmente têm uma estrutura societária diferente, com benefícios fiscais e regulatórios distintos, conforme estabelecido pelas leis da jurisdição offshore escolhida.

Offshore e paraísos fiscais

É importante destacar que nem todas as empresas offshore estão localizadas em paraísos fiscais, e nem todos os paraísos fiscais são estritamente offshore.

O termo “paraíso fiscal” foi historicamente utilizado para descrever as jurisdições que oferecem benefícios fiscais significativos e um alto grau de confidencialidade nas transações financeiras.

No entanto, nem todas as operações offshore são ilegais. A escolha de uma jurisdição offshore deve ser feita com base em critérios legais, financeiros e éticos sólidos.

Veja também:

Tipos de empresa offshore 

Existem diversos tipos de empresas offshore, cada uma com suas características e finalidades específicas. Listamos as três principais a seguir.

International Business Company (IBC)

O modelo International Business Company (IBC) é o mais utilizado para definir uma offshore. Essa estrutura é caracterizada por sua flexibilidade e simplicidade de operação e constituída como uma sociedade anônima. Assim, permite que a empresa seja propriedade de acionistas que não residem na jurisdição onde a IBC está registrada.

Uma Empresa Comercial Internacional oferece diversos benefícios, como vantagens fiscais, sigilo financeiro, facilidade de transferência de ações e propriedade, além de requisitos reduzidos de prestação de contas e auditoria.

Limited Liability Company (LLC)

Uma Limited Liability Company (LLC), ou Sociedade de Responsabilidade Limitada, é outra estrutura comumente utilizada em jurisdições offshore. Essa forma jurídica oferece uma combinação de benefícios da estrutura de uma empresa e da proteção de responsabilidade limitada para seus membros.

A LLC permite a criação de uma entidade separada dos membros, protegendo-os de responsabilidade pessoal em relação às obrigações da empresa. Os membros, por sua vez, podem ser indivíduos ou outras entidades e podem usufruir de benefícios como flexibilidade na distribuição de lucros, privacidade e economia fiscal.

Trust

Trust é uma estrutura amplamente utilizada em planejamento patrimonial e proteção de ativos. Nesse caso, o indivíduo ou entidade (settlor ou grantor) transfere a propriedade de bens e ativos para um administrador (trustee), que deve gerir os ativos em benefício de um ou mais beneficiários (de acordo com os termos estabelecidos no instrumento do trust).

Uma vantagem significativa do trust é a proteção de ativos, pois eles são mantidos em uma jurisdição que oferece maior segurança jurídica, privacidade e proteção contra litígios e credores. Além disso, um trust pode proporcionar planejamento tributário e sucessório, assim como proteção patrimonial.

Como abrir uma offshore? 

Abrir uma empresa offshore envolve um processo específico que pode variar de acordo com a jurisdição escolhida. Porém, a prática geralmente envolve os passos a seguir.

  1. Pesquisa e escolha da jurisdição: é preciso pesquisar as diferentes jurisdições offshore e escolher a mais adequada, com base em critérios como estabilidade política, estrutura legal, benefícios fiscais, confidencialidade e proteção de ativos;
  2. Auxílio de profissionais especializados: advogados, contadores e/ou consultores financeiros especializados podem fornecer um aconselhamento personalizado sobre a jurisdição mais adequada às necessidades da empresa;
  3. Registro da empresa: o processo de registro da empresa abrange a apresentação de informações sobre a estrutura societária, acionistas e diretores, assim como da legislação local;
  4. Abertura de uma conta bancária: é preciso escolher uma instituição financeira na jurisdição offshore ou em outra instituição internacional para abrir uma conta bancária em nome da empresa offshore;
  5. Cumprimento das obrigações legais: por fim, é necessário ter ciência das obrigações legais da jurisdição offshore e cumprir as regulamentações fiscais, contábeis e de prestação de contas aplicáveis.

A utilização de uma empresa offshore deve ser cuidadosamente avaliada, considerando as necessidades individuais, os objetivos comerciais e a conformidade com as leis e regulamentações aplicáveis.

Por isso, é fundamental buscar aconselhamento profissional especializado para compreender todas as implicações e tomar decisões informadas.

Quanto custa abrir uma offshore? 

Os custos para abrir uma empresa offshore podem variar, dependendo da jurisdição escolhida. Além disso, também é preciso considerar os serviços profissionais necessários, os requisitos de capital e a complexidade do processo de registro.

A abertura de uma offshore abrange tanto custos iniciais de registro da empresa quanto taxas governamentais, honorários advocatícios, honorários contábeis, taxas de manutenção anual, entre outros.

É legal ter uma offshore? 

A legalidade de uma empresa offshore depende do cumprimento das leis e regulamentações da jurisdição offshore e dos países onde seus proprietários residem ou onde as atividades comerciais ocorrem.

Por isso, é recomendado buscar assessoria profissional para garantir que todas as atividades relacionadas à empresa offshore estejam em conformidade com as leis e regulamentos aplicáveis. Dessa forma, é possível evitar práticas ilegais, como evasão fiscal e lavagem de dinheiro.

Quem pode ter uma offshore? 

Em geral, qualquer pessoa física ou jurídica pode estabelecer e possuir uma empresa offshore, desde que siga as leis e os regulamentos da jurisdição em que a empresa é registrada. Muitas empresas e indivíduos optam por criar uma empresa offshore com base em seus objetivos comerciais, financeiros ou de proteção de ativos.

No entanto, é importante destacar que ter uma empresa offshore implica responsabilidades legais e fiscais, e a decisão de estabelecer uma entidade desse tipo deve ser tomada com base em uma avaliação cuidadosa das suas necessidades individuais, consultando profissionais especializados e respeitando as leis e regulamentações relevantes.

Vantagens e desvantagens da offshore

Uma empresa offshore oferece uma série de vantagens e desvantagens. Confira os principais prós e contras desse tipo de legislação.

Vantagens

  • Benefícios fiscais: uma das principais vantagens é a possibilidade de obter benefícios fiscais, como taxas de imposto mais baixas ou isenções fiscais em determinadas jurisdições offshore, resultando em economia;
  • Sigilo e confidencialidade: as jurisdições offshore geralmente oferecem um alto nível de sigilo e confidencialidade em relação aos negócios e transações financeiras realizadas, o que pode proteger a privacidade dos proprietários e manter informações confidenciais fora do alcance de terceiros;
  • Proteção de ativos: uma offshore pode fornecer uma camada adicional de proteção aos ativos, ajudando a separar o patrimônio pessoal dos proprietários do patrimônio da empresa, sendo útil em casos de litígios, protegendo os ativos da empresa contra possíveis reclamações legais;
  • Planejamento sucessório: uma offshore ainda pode ser uma ferramenta eficaz para o planejamento sucessório, permitindo a transferência eficiente de ativos para herdeiros, minimizando a exposição a impostos e simplificando o processo de transferência.

Desvantagens

  • Maior complexidade e custos: abrir e administrar uma offshore envolve uma maior complexidade e custos em comparação com uma empresa estabelecida em uma jurisdição local. Por isso, é necessário considerar os custos de registro, manutenção, assessoria jurídica e contábil, além das obrigações regulatórias;
  • Maior regulamentação: as jurisdições offshore estão sujeitas a um maior escrutínio, especialmente em relação à prevenção de lavagem de dinheiro e evasão fiscal. Isso pode resultar em requisitos mais rigorosos de prestação de contas, transparência e cooperação com as autoridades fiscais internacionais;
  • Percepção negativa e estigma: o uso de empresas offshore tem sido associado a práticas questionáveis, como evasão fiscal e ocultação de ativos. Isso pode levar a uma percepção negativa por parte do público e das autoridades reguladoras, mesmo que a empresa esteja operando dentro dos limites legais.

Como investir em empresas offshore? 

O investimento em offshore pode ser feito por meio de ativos de capital aberto ou opções em renda fixa. As três opções de ativos comumente encontradas nessa categoria são os fundos de investimento offshore, os ETFs e os BDRs.

Fundos de investimento

Os fundos offshore são opções de investimento em renda fixa oferecidos por instituições ou bancos. Eles são geridos por profissionais e mesclam ativos de diferentes frentes.

A principal vantagem dos fundos de investimento é a oportunidade de investir em uma ampla variedade de ativos, como ações, títulos, commodities, imóveis e moedas estrangeiras. Os retornos e riscos são compartilhados entre os cotistas proporcionalmente às suas participações no fundo.

ETFs (Exchange Traded Funds)

Já os ETFs são fundos de investimento negociados em bolsa que acompanham um índice específico, como de ações ou de títulos. Eles permitem aos investidores obter exposição a uma cesta diversificada de ativos ao mesmo tempo, como ações de diferentes empresas ou setores.

Os ETFs são comprados e vendidos como ações em bolsas de valores, oferecendo liquidez e transparência aos investidores.

BDRs (Brazilian Depositary Receipts)

Por fim, os BDRs são certificados emitidos no Brasil que representam ações de empresas estrangeiras. Eles permitem que investidores brasileiros tenham acesso indireto a empresas offshore, sem a necessidade de abrir uma conta em uma corretora estrangeira.

Os BDRs podem representar ações de empresas de diferentes países e setores, proporcionando diversificação geográfica em uma carteira de investimentos.

Vale lembrar que investir em offshore, seja por meio de fundos de investimento, ETFs ou BDRs, requer uma análise cuidadosa dos riscos envolvidos, assim como a avaliação das regulamentações e condições específicas de cada mercado.

Recomenda-se buscar orientação de profissionais especializados, como consultores financeiros ou gestores de patrimônio, para tomar decisões de investimento informadas e alinhadas aos seus objetivos financeiros e tolerância ao risco.

Simulador Investnews

Abra sua conta! É Grátis

Já comecei o meu cadastro e quero continuar.
bwin Mapa do site